Contrate a melhor banda forrozeiro do RN!

Contrate a melhor banda forrozeiro do RN!

Festa do Ano no Fama Casa Show


propaganda

Facheiros Motel

Mundial Fashion


QUEREM FICAR PERFEITOS ENTÃO O LUGAR CERTO É NA MUNDIAL FASHION. CAMISETA BÁSICA 24 REAIS MUNDIAL FASHION SHOPPING TRAIRI CENTER SANTA CRUZ RN

Vende-se terrenos; últimos lotes


Açougue AM Carnes

Açougue AM Carnes

Publicidade

Store Multimarcas


Espaço Confecções


quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Com bagagem recheada de medalhas, Joana Neves desembarca no RN


Paratletas da delegação potiguar seguiram com Joaninha para sede da Sadef, localizada no Caic, em Lagoa Nova.
A nadadora potiguar, Joana Neves, desembarcou na noite desta terça-feira (20) no Aeroporto Internacional Aluízio Alves, localizado em São Gonçalo do Amarante, na Grande Natal. Com três medalhas no peito, Joaninha foi recepcionada por familiares e companheiros da delegação potiguar de paradesporto.
Em entrevista coletiva no saguão do aeroporto, vários paratletas demonstraram a felicidade em poder participar de uma paralimpíada no Brasil, mas lamentaram a alta de apoio do poder público e privado.
ww

“Eu estou muito feliz em ter participado. Disputar uma paralimpíada no Brasil era meu sonho e eu consegui realiza-lo. Foi tudo muito bom, só lamentamos a falta de apoio do governo do Estado, que é o único Estado do país que não tem uma bolsa atleta, por exemplo.”, destaca a nada Rildene Fonseca.
Sem apoio do Governo do Rio Grande do Norte, alguns paratletas recebem incentivo do programa Bolsa Atleta do Governo Federal, no entanto, outros afirmam não ter recebido apoio algum. “O apoio que eu tive foi da minha família, do meu técnico, todos os dias. Infelizmente não tive apoio de patrocinadores, nem do poder público. Eu sou daqui de Natal, mas infelizmente não recebi nenhum tipo de incentivo”, lamenta Thalita Simplício, medalha de prata na Rio 2016.
Embora não tenha recebido incentivo, Thalita se mostrou bastante empolgada com o desempenho em sua primeira paralimpíada. “Eu estou muito feliz com tudo isso, eu não esperava chegar numa paralimpíada tão cedo. É a primeira que disputo e já conquistei a prata, mesmo sendo a mais nova da delegação”, comenta.  
Prata no atletismo, Simplício disse ainda que já praticou outras modalidades esportivas. “Eu já fiz nove anos de ballet, caratê e até goalball. Eu entrei no atletismo por incentivo do meu guia [Felipe] e tudo começou na brincadeira mesmo”, enfatiza.


Assim como Thalita Simplício, a triatleta paralímpica, Ana Raquel Montenegro, também participou de sua primeira paralímpiada. Única atleta brasileira na modalidade, ela também ficou bastante empolgada com seu resultado, apesar de não ter conquistado medalha.
cccc1“É uma honra pra mim ter sido a primeira mulher da delegação brasileira no triatlo, até porque também foi minha primeira paralimpíada e disputada logo aqui no Brasil. Infelizmente não conquistei medalha, mas na próxima eu já quero brigar por uma”, ressalta. 
Destaque da delegação Norte-riograndense, a nadadora Joana Neves desembarcou no aeroporto por volta das 18h. Com três medalhas no peito, Joaninha comemorou as conquistas e mandou um recado para as pessoas com deficiência.
“Eu fiquei muito satisfeita com meu desempenho, com as medalhas e por estar sendo ser considerada um orgulho potiguar e paralímpica. E, diante de tudo isso, queria dizer para as pessoas deficientes que elas não devem perder a vontade de viver. É preciso viver e buscar ser feliz, independente de quaisquer deficiência”, relata.
Questionada sobre o expressivo resultado na Rio 2016, Joaninha disse que já esperava por essas conquistas. “Eu treinei muito para consegui-las. Nesta paralimpíada eu consegui, além das três medalhas, os melhores tempos da minha vida e isso tudo tem sido muito bom”, conclui.
Celeiro de paratletas
Apesar da falta de apoio, o Rio Grande do Norte vem se destacando há algum tempo no paradesporto brasileiro. De acordo com Tércio Tinôco, presidente da Sociedade Amigos do Deficiente Físico (Sadef-RN), um dos fatores que contribuem para isso é a grande proporção de habitantes deficientes no Estado.
b2

“Nós somos fortes assim porque aqui no RN cerca de 27,56% das pessoas são deficientes. O nosso estado é o número 1 do Brasil em proporção de habitantes com necessidades especiais. No entanto, a Sadef também tem contribuído muito para o fortalecimento do paradesporto potiguar, pois, na medida do possível, nos damos todo o apoio aos paratletas”, afirma.

0 comentários:

Postar um comentário

 
Editado Por: Blog do Joseilson Cidade: Santa Cruz/RN