Contrate a melhor banda forrozeiro do RN!

Contrate a melhor banda forrozeiro do RN!

Festa do Ano no Fama Casa Show


propaganda

Facheiros Motel

Mundial Fashion


QUEREM FICAR PERFEITOS ENTÃO O LUGAR CERTO É NA MUNDIAL FASHION. CAMISETA BÁSICA 24 REAIS MUNDIAL FASHION SHOPPING TRAIRI CENTER SANTA CRUZ RN

Vende-se terrenos; últimos lotes


Açougue AM Carnes

Açougue AM Carnes

Publicidade

Store Multimarcas


Espaço Confecções


sábado, 13 de agosto de 2016

Venezuelanos são enterrados em caixões de papelão em meio à crise

Os venezuelanos têm tido dificuldades para resolver a vida cotidiana, mas a crise também os está castigando na hora da morte. O alto custo e a escassez de materiais complicam a aquisição de caixões e, por isso, estão sendo fabricados com madeira barata e até papelão.
Muitos parentes fazem malabarismos para lidar com os gastos de um funeral: se preferirem a cremação à sepultura para não pagar uma cova no cemitério, o velório se reduz de 24 a oito, quatro ou duas horas. Alguns contratam somente o "serviço direto" para o crematório ou túmulo, e há os que aluguem o caixão apenas para o velório.
Há um mês morreu o irmão de Miriam Navarro, uma humilde dona de casa de 66 anos. "Me senti desesperada. Não tinha a fortuna que a funerária pedia. Se não fosse pela comunidade, teria que enterrá-lo no quintal", disse à AFP em sua casa em um bairro de Maracay, 105 km ao sudoeste de Caracas.
Com o que seus vizinhos arrecadaram, Miriam comprou um dos caixões fabricados, a poucas ruas de sua casa, pelo carpinteiro Ronald Martínez com papelão e MDF, um material comprimido de pó de serra e resina, que é muito mais barata que a madeira.
Diante dessas dificuldades do último adeus, Elio Angulo, um empresário de Barquisimeto (365 km ao sudoeste da capital), apostou no "biocofre", uma urna de papelão corrugado, 70% feito de produto reciclado, que desenhou com um sócio e logo estará à venda.

0 comentários:

Postar um comentário

 
Editado Por: Blog do Joseilson Cidade: Santa Cruz/RN