Contrate a melhor banda forrozeiro do RN!

Contrate a melhor banda forrozeiro do RN!

Festa do Ano no Fama Casa Show


propaganda

Facheiros Motel

Mundial Fashion


QUEREM FICAR PERFEITOS ENTÃO O LUGAR CERTO É NA MUNDIAL FASHION. CAMISETA BÁSICA 24 REAIS MUNDIAL FASHION SHOPPING TRAIRI CENTER SANTA CRUZ RN

Vende-se terrenos; últimos lotes


Açougue AM Carnes

Açougue AM Carnes

Publicidade

Store Multimarcas


Espaço Confecções


quarta-feira, 8 de junho de 2016

Absurdo! Preço do feijão sobe mais que o permitido em quatro meses

O início do mês chegou, e o fluxo de pessoas no supermercados voltou a aumentar, principalmente para quem quer fazer logo toda a compra básica para os próximos trinta dias. Mas, quem procura por um item tão básico para a refeição do brasileiro, como o feijão, pode tomar um susto, afinal, de janeiro até o inicio deste mês de junho, o produto que integra a cesta básica sofreu uma alta absurda, segundo dados mais recentes divulgados pelo Departamento Intersindical de Estudos Estatísticos (DIEESE).

Quem vai ao supermercado convencional para comprar o pacote com um quilo de feijão carioca – o mais comum na refeição do baiano –, chega a pagar R$ 14,00 em alguns pontos comerciais. Caso a pessoa opte pelo feijão preto, deverá desembolsar um pouco menos, mas muito caro também: R$ 6,99. Esses valores podem ficar ainda mais altos, nos chamados “supermercados gourmet”, onde um mesmo pacote do feijão carioca sai por quase R$ 15,00, enquanto que o feijão preto custo expressivos R$ 9,90. Entre os meses de abril de 2015 e 2016, a alta chegou a ser de 17,96%. Segundo a técnica do DIEESE, Ana Georgina Dias, os constantes aumentos do feijão são atribuídos principalmente ao fator climático. “Devido aos longos períodos de seca que se arrastaram nos últimos três anos, a produtividade das safras de feijão caiu bastante. Além disso, por perceberem essa colheita pouco atrativa, muitos produtores migraram para outro tipo de cultura”.

A próxima safra do feijão está prevista para o mês de setembro, porém, conforme explicou a técnica do DIEESE, será preciso aguardar até lá para saber se haverá possibilidades de uma redução, ou até mesmo um novo aumento do quase sempre presente componente dos almoços brasileiros. Enquanto isso o consumidor que vai sofrendo cada dia mais com a crise e o aumento dos preços.

0 comentários:

Postar um comentário

 
Editado Por: Blog do Joseilson Cidade: Santa Cruz/RN