Contrate a melhor banda forrozeiro do RN!

Contrate a melhor banda forrozeiro do RN!

Festa do Ano no Fama Casa Show


propaganda

Facheiros Motel

Mundial Fashion


QUEREM FICAR PERFEITOS ENTÃO O LUGAR CERTO É NA MUNDIAL FASHION. CAMISETA BÁSICA 24 REAIS MUNDIAL FASHION SHOPPING TRAIRI CENTER SANTA CRUZ RN

Vende-se terrenos; últimos lotes


Açougue AM Carnes

Açougue AM Carnes

Publicidade

Store Multimarcas


Espaço Confecções


domingo, 6 de março de 2016

'Cangaceiro da dengue' mata 5 mil larvas de Aedes por semana na UnB

Conhecido como "cangaceiro da dengue" pelos alunos da Universidade de Brasília (UnB), o piauiense Marcílio Sales, de 43 anos, trabalha "caçando" focos do Aedes aegypti pelo campus. Ele diz eliminar 5 mil larvas do mosquito semanalmente utilizando como "armas" uma bicicleta, caule de timbó – cipó encontrado no cerrado – e potes recicláveis pretos.

O prestador de serviço trabalha há 16 anos em uma pequena sala na prefeitura da universidade. Ele foi contratado para combater a proliferação de insetos no campus, como mosquitos e escorpiões. Além de "caçar" o Aedes aegypti, Sales também cria esculturas do inseto, utilizando ferro reciclado. Segundo ele, o objetivo é conscientizar a comunidade por intermédio de palestras em escolas e na própria UnB.


"Faço um trabalho de extermínio. O mosquito é sábio, inteligente. Ele se esconde da população, adora um local escuro. Por isso coloco o pote preto, entende? Dentro dos copinhos, jogo capim com água. O cheiro ruim atrai o Aedes aegypti e ele deposita os ovos nas tiras de madeiras. Depois de sete dias, mato todos e percebo onde está o foco do mosquito. Depois, a equipe de dedetização vem até o local e faz o trabalho", explica.
O serviço é feito de 8h às 17h. De bicicleta, o "cangaceiro da dengue" percorre todo o campus Darcy Ribeiro, localizado no Plano Piloto. Alguns trabalhos de extermínio também já foram realizados em Ceilândia. A principal "arma" contra o mosquito, segundo Sales, é a planta Serjania lethalis, conhecida popularmente como timbó, que age na água, matando as larvas e evitando que o Aedes se prolifere.
Mesmo sem formação na área de biologia, Sales diz entender "perfeitamente" como e onde o mosquito age. "O falecido professor Elias de Paula da UnB foi quem me deu os caminhos. Descobrimos a ação do timbó juntos. A planta é de graça, encontrada facilmente no cerrado, inclusive no campus. Por que não usá-la? Milhares de pessoas seriam poupadas", acredita.

0 comentários:

Postar um comentário

 
Editado Por: Blog do Joseilson Cidade: Santa Cruz/RN