Publicidade

SITE PERFEITO MUNDIAL FASHION

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Deu no Blog de Erivan Justino: PROFESSOR VALFLAN É AGREDIDO POR ALIADOS DE TOMBA NO IBEREZÃO

Um torcedor do Santa Cruz que foi assistir ao jogo entre o Santa Cruz X América informou que assistiu uma cena que lhe deixou revoltado. Ele disse que o professor Valflan estava dentro do campo de jogo quando liderados do deputado Tomba se aproximou do mesmo mandando que ele(Valflan) se retirasse dali. A cena chamou a atenção de todos que estavam no estádio.

O professor Valflan, sem ter muito o que fazer, discutiu fortemente com o grupo(Joãozinho, Jaedson...) e retirou-se do local.

Que coisa feia! Valflan sempre foi um colaborador do esporte santacruzense. Só porque ele não pertence mais ao grupo político do deputado... tentam desmoralizar/desqualificar o cidadão/professor Valflan.

Quem pensa e age assim acha que o poder é eterno! Quando não é.

O América venceu o Santa Cruz(em casa) pelo placar de 1 X 0.

15 comentários:

  1. Está correta a posição tomada por dirigentes do Santa Cruz contra esse cidadão. Todos que fazem a imprensa e cobrem os jogos do Campeonato Estadual são sabedores que não é permitido a entrada de repórteres no gramado após a entrada dos times em campo.Esse senhor que diz ser repórter pra tentar prejudicar o Santa Cruz entrou no gramado no outro lado do campo que dá acesso ao vestiário do Santa Cruz. Após o ocorrido ele disse que não sabia desta regra. Mas toda imprensa foi informada antes da abertura e durante a competição. Por sinal esse cidadão que torce contra o Santa Cruz já provocou torcedores do Santa Cruz e fez gestos obscenos para alguns torcedores do Santa Cruz.

    ResponderExcluir
  2. Eu acho é pouco é só o começo, ai Marcos Valflan é ruin né ficar no lado mais fraco? kkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  3. Quem lhe contou o que viu dizendo "Valfran foi agredido por aliados de TOMBA." Não passa de um irresponsável e mostra o caráter dessa pessoa, ele não tá preocupado em divulgar a verdade e sim em atingir o deputado TOMBA. Não houve nada de mais e sim um ignorante que é seu Valfran que queria a qualquer custo prejudicar o time e invadir o gramado, onde desde o inicio do campeonato é proibido a entrada no campo no inicio da partida.

    ResponderExcluir
  4. Vamos deixar de mentiras esse cidadão pode ter os defeitos que tiver mais ele é um autêntico desportista e já ajudou muito o esporte local e quando ele ajudava o deputado não era ruim e agora estão querendo queimar todo mundo que não votou na mulher do deputado.

    Olha é bom ele mudar esse jeito de fazer política e segurar os seus babões pra não fazer besteira como essa porque ninguém é burro, e porque ele tomba estava dentro do campo também se é proibido???

    “Ele Tomba um desses deu uma entrevista questionando a atuação da arbitragem e fez a infeliz comparação segundo ele do roubo da mesma comparando a violência da nossa cidade ele disse” o povo só fala no arrastão do colégio e pior é esse bandeirinha e esse juiz que roubaram o santa ”infeliz comparação, pois deputado está violência de campo é muito pequena em comparação ao que estamos passando mais a sua família está em natal segura e os outros é que se danem.
    se tá ruim tem que mudar

    ResponderExcluir
  5. Caro amigo, você precisa saber dos direitos do cidadão antes de falar alguma coisa em público, certo!?
    quero que você me mostre essa lei!

    Dr. SILVA,P.H.M.

    ResponderExcluir
  6. O artigo 5º da Constituição Federal estabelece o que se convencionou a chamar de direito de ir e vir de todos os cidadãos brasileiros. Ou seja, qualquer pessoa, livre ou não de deficiência ou mobilidade reduzida, deve ter o direito de poder chegar facilmente a qualquer lugar.

    ResponderExcluir
  7. A liberdade a que me refiro neste caso, é aquela que possibilitaria com que caminhássemos pelos passeios públicos sem nos deparar com desníveis, buracos, inexistência de ligação entre ruas e calçadas, rampas fora dos padrões, lixeiras, pontos de ônibus, bancas de jornais, bueiros destampados, ambulantes e pisos escorregadios, CAMPOS DE FUTEBOL. Utopia ou não, o fato é que esses casos são ainda muito comuns nas mais diferentes cidades do Brasil. Nos países desenvolvidos a legislação de trânsito prioriza o pedestre facilitando sua travessia e forçando a redução da velocidade dos carros. No Brasil ocorre o contrário.

    ResponderExcluir
  8. O privilégio concedido aos automóveis chega a criar barreiras intransponíveis para quem está a pé. Da mesma forma, nossos passeios públicos deveriam facilitar a circulação dos pedestres e possibilitar com que as pessoas com deficiência e seus familiares encontrassem menos ou nenhuma dificuldade para chegar até atendimentos de saúde, cinemas, igrejas, estabelecimentos comerciais, parques públicos, shows artísticos. Locais comuns e que devem ser frequentados por qualquer pessoa, mesmo aquelas sem condições ou com dificuldades de locomoção. Os passeios sem qualidade e os locais inacessíveis inibem a circulação dessas pessoas, levando-as ao isolamento, forçando-as a se concentrarem em espaços fechados e impedindo-as de sociabilizarem-se. As calçadas são os ambientes mais democráticos que existem, já que impulsionam as atividades econômicas. Por meio delas chegamos ao trabalho, ao comércio, aos clubes, aos shoppings. A grande questão é que esses espaços, conforme determinam as leis, são de responsabilidade do proprietário do imóvel e talvez por isso nos deparamos com as mais diferentes situações: pisos inadequados, degraus, raízes de árvores, enfim, passeios deteriorados e, o mais grave, inacessíveis. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 2000, apontam que mais de 14% dos brasileiros convivem com algum tipo de deficiência definitiva. Esse dado pode aumentar significativamente, se incluirmos aí os idosos, os obesos ou os deficientes temporários, como aqueles que estão com algum membro imobilizado, assim como os milhares que se acidentam diariamente no trânsito de nossas cidades. Um estudo do Hospital das Clínicas de São Paulo revelou que idosos e mulheres com sapato de salto alto são as duas vítimas mais comuns de acidades nas calçadas. Os Ministérios Públicos e uma parcela significativa das prefeituras municipais têm feito cumprir as legislações que prevêem que prédios de uso público e coletivo possibilitem acesso a todas as pessoas. Mas, de que adianta ter, por exemplo, um banco com rampas e elevadores acessíveis, se as calçadas, que são a principal forma de acesso a esses locais e aos meios de transportes, são inacessíveis? A calçada acessível deve atender aos critérios contidos na NBR 9050/2004, da Associação Brasileira de Normas Técnicas. Os Conselhos Regionais de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Creas), instituições que fiscalizam o exercício ilegal dessas profissões, há vários anos têm executado ações fiscalizatórias em parceria com os Ministérios Públicos Estaduais. Essas iniciativas, inclusive culminaram em ações práticas direcionadas a toda a população, como o Guia Prático para a Construção de Calçadas, elaborado pelo Crea de Mato Grosso do Sul, com o apoio de instituições públicas e privadas. De forma prática e, gratuitamente, o guia chega a todas as classes sociais levando informações atualizadas sobre legislações, pisos adequados, rebaixamento de guias, instalação de mobiliários urbanos e até mesmo as espécies de árvores ideais para esse fim. Enquanto nos couber a obrigatoriedade de construir e reformar nossas calçadas ou enquanto os poderes públicos não colaborarem executando os passeios, assim como se faz com a pavimentação asfáltica, não cometeremos erros alegando ignorância, já que temos à mão mecanismos gratuitos para que respeitemos nosso semelhante. A questão merece realmente muita atenção. Falamos das cidades que deixaremos para as próximas gerações. As soluções já nos bateram à porta. A construção de ambientes acessíveis deve ser cadeira obrigatória nos cursos de engenharia e arquitetura. Os órgãos públicos devem fazer cumprir a legislação e, principalmente, os engenheiros e arquitetos são os responsáveis pelos ambientes construídos. Muito nos cabe e já é chegada a hora de se caminhar olhando para o horizonte e não para baixo, desviando dos obstáculos do caminho.

    ResponderExcluir
  9. se o blog postar os textos sobre o direito do cidadão!
    Eu com certeza ajudarei o prof. Valflan, com muito carinho, e mostrarei aos "metidos" quem realmente entende de lei e junto com a justiça proibirei a entrada dos dirigentes em campo!
    tenho 27 anos de juizado e advocacia!

    DR. Silva

    ResponderExcluir
  10. É DE CAUSAR NOJO, AS ATITUDES DESTE TAL DE TOMBA, HIPOCRITA,CORRUPTO, NAO TENHO O DIREITO DE IR E VIR DAS PESSOAS .

    ResponderExcluir
  11. tenho muita pena desse pobre deputado. pobre mesmo. muito pobre analfabeto.

    ResponderExcluir
  12. essa suzana e muito poderosa.ela manda mesmo em santa cruz.

    ResponderExcluir
  13. Valfran. Era pra ta apanhando até agora e com o direito de apanhar CALADO!

    ResponderExcluir
  14. O povo fala de Tomba mais esse Walflan também não é flor que se cheire não. Cada qual mais arrogante.

    ResponderExcluir
  15. Tá pagando o que fez, já humilhou muita gente quando era chefe no Iberezão. Além de mal educado é um metido.

    ResponderExcluir

VENDE-SE UMA CHACARA

Vende-se uma chacara com uma casa localizada no Açude Novo, a casa contém cisterna, luz, quarto, sala, cozinha, banheiro e outros. As laterais da casa tem alpendres, ótima localização.
Os interessados ligar para o telefone: (84) 9652-5930.